Olá!

No último sábado (09/12/18) aconteceu o nosso workshop de raspagem de dados com Python ministrado pelo Fernando Masanori aqui em Curitiba. Como comentei em outro post essa ideia surgiu no dia 18 de setembro no twitter depois que divulguei o evento de BH e o Fernando perguntou se eu tinha interesse em ter o evento aqui. A resposta foi sim, mesmo sem ter o local ou saber como que iria viabilizar tudo.

Como tínhamos realizado dois encontros da comunidade Debian na Universidade Positivo que fica no centro de Curitiba, eu já conhecia a excelente estrutura do prédio. Então procurei os professores de lá e eles toparam ceder o espaço novamente. Com o local e a data confirmados foi o momento de abrir as inscrições. O Fernando tem realizado o trabalho de apresentar a programação para pessoas que não conhecem o assunto e também não são de TI. O foco é atrair as pessoas diversas para mostrar que a tecnologia pode ser aplicada em todas as áreas do conhecimento e tentar fechar uma turma para mulheres.

Disponibilizei 70 vagas com a ideia de preencher prioritariamente com mulheres, mas caso não atingisse essa quantidade os homens também seriam selecionados.  No total se inscreveram 136 pessoas e consegui preencher todas as vagas apenas com mulheres, que era meu objetivo inicial. Infelizmente ao longo dessa experiência teve um homem que reclamou que não achava certo selecionar apenas mulheres e que por isso estava desistindo da vaga, e outro que disse que se sentia intimidado por participar de uma turma onde a maioria seriam mulheres, caso ele fosse selecionado também. Nos cinco anos que tenho esse blog já ouvi muitas vezes as mulheres falando que se sentem um pouco intimidadas quando fazem um curso e só tem uma ou outra mulher na sala e que o restante são homens. Por isso eu realmente queria fechar uma turma de mulheres para proporcionar também a experiência de ter somente mulheres participando.

A divulgação foi feita nas redes sociais e também com cartazes que colamos nas universidades. Na inscrição a pessoa tinha que informar a área de atuação e tivemos diversas como medicina, direito, ciências sociais, jornalismo, tecnologia, engenharia, marketing, design, recursos humanos, geotecnologia, psicologia, saúde, história, administração, ciências contábeis, pedagogia, artes, educação e arquitetura.

Conversei com algumas empresas e consegui brindes para sortear entre as participantes no dia. Também pensei que seria legal ter um lanche a tarde e a Comunidade Curitiba Livre se ofereceu para financiar isso, além da Melissa que levou dois bolos deliciosos! Após fechar as inscrições o Fernando lembrou que precisaríamos de pelo menos sete pessoas para trabalhar com a monitoria no dia do evento. Então, eu precisaria encontrar pessoas dispostas a ajudar voluntariamente em um sábado de sol em Curitiba (o que costuma ser raro aqui!), foi então que convidei algumas pessoas do Grupo de Usuários Python do Paraná (GruPy-PR) e eles prontamente aceitaram. O Fernando também divulgou nas redes sociais e conseguiu a ajuda de mais duas pessoas.

Com tudo acertado previamente, local, brindes, internet, extensões de tomada, voluntários(as) e muita empolgação fui para a Universidade Positivo. Aprontamos a sala com a ajuda dos(as) voluntários(as) e deu aquele nervoso porque eu não sabia se as pessoas iriam ou não. Por se tratar de um evento gratuito se a pessoa não for ela não vai ter nenhum prejuízo financeiro, então é bem comum alguém desistir sem avisar (infelizmente)! As participantes foram chegando e de repente a sala estava cheia! Os(As) voluntários(as) ajudaram nas configurações dos ambientes e também ao longo do dia.

O interessante do workshop foi ver pessoas de várias gerações e das mais diversas áreas aprendendo juntas, e notei que quando uma participante terminava a tarefa, olhava do lado e tentava ajudar a outra que ainda não tinha conseguido. Foi muito gratificante ver que todo o trabalho antes do evento estava valendo a pena! Depois do almoço ainda tivemos a segunda parte do workshop, e no meio da tarde paramos para o lanche e encerramos com o sorteio dos brindes. Depois disso fomos para o happy hour porque ninguém é de ferro né!? Algumas participantes me abordaram e disseram que gostaram muito, para algumas foi o primeiro contato com a parte mais técnica da tecnologia e outras ficaram surpresas com a possibilidade de utilização da raspagem de dados no cotidiano.

As fotos do workshop estão disponíveis aqui

Fiquei muito feliz em organizar esse workshop e também por saber que ele foi feito com a ajuda de tanta gente! Só tenho a agradecer a todo mundo que colaborou:

Compartilhe

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Comment *