Olá pessoal!

Hoje temos a entrevista com a Marjori Klinczak, ela é de Curitiba, mas mora em  Campina Grande do Sul – PR.  Ela atua na área de Desenvolvimento web/ mobile, mineração de dados em redes sociais, é fundadora da empresa Mosaic Web onde trabalha com desenvolvimento web e mobile.

Além disso, é professora de matemática, física e informática desde o ensino médio até o superior e é assistente acadêmica responsável pelos cursos de TI da faculdade Fael. Agora vamos conhecer um pouco mais sobre a trajetória da Marjori!

Blog: Qual a sua formação profissional?
Graduada em Sistemas para Internet – FAE. Cursei Mestrado em computação aplicada – UTFPR, pós graduação em Desenvolvimento para mercados internacionais – UFPR e cursando os cursos de pós-graduação em Docência no Ensino Superior – FATEC (concluindo), Desenvolvimento web e mobile – Estácio de Sá (concluindo) e EAD e novas tecnologias – FAEL (concluindo).

Blog: Como foi a sua trajetória na área, o que levou a escolher a TI, já  passou por alguma dificuldade na área e quando começou a trabalhar na área?
Na época do ensino médio caiu uma apostila de html, php e apache na minha mão, uma conhecida estava fazendo o curso e gazeando as aulas, e pediu para que eu vendesse as tarefas para ela, nunca havia tido contato com nada do tipo, mas rapidamente conseguir dominar html, php e através do site apostilando.com fui atras de outros materiais para continuar estudando, inclusive outras linguagens.

Em 2012 decidi abrir minha própria empresa pois nunca aceitei trabalhar como CLT, e através disso comecei a trabalhar como PJ e não mais por contratos fechados.


Comecei a atuar em empresas em 2008 direto com desenvolvimento, também tendo que dar suporte em infra estrutura ocasionalmente, sempre mudava de empresa porque a anterior não me oferecia mais desafios (com isso domino uma série de linguagens e plataformas), ou porque tinha mais tarefas em infra do que em desenvolvimento, área que não gosto de atuar.
marjoriEm 2012 decidi abrir minha própria empresa pois nunca aceitei trabalhar como CLT, e através disso comecei a trabalhar como PJ e não mais por contratos fechados, baseada no ideal, que na maior parte do tempo um PJ faz um trabalho melhor que um CLT, e que na área de programação, raramente o profissional precisa ficar direto fisicamente na empresa.
As maiores dificuldades foram de vários gestores tentarem me “empurrar” para área de analise ou testes, área que domino mas que não desejo trabalhar somente com isso, gosto mesmo de desenvolver, e esse problema sempre acontecia em grandes empresas. Também tive problema com vários colegas tentando se impor que eram melhores, mas isso você consegue conquistar seu “pedaço” fazendo um bom trabalho. Outro problema que é da área, não somente de homens ou mulheres, é que muitas empresas contratam um funcionário de TI para fazer tudo na empresa, e muitas pessoas aceitam isso com medo de perder o emprego, mas acredito que o profissional que faz isso está apenas se desgastando e se desvalorizando.

Blog: Existe alguma mulher na área da TI que serve ou serviu de inspiração para você?
Não atua exatamente na área hoje, mas tem formação em engenharia, Bel Pesce.

Blog: Qual a sua indicação de um livro para iniciantes em TI?
Introdução à programação: 500 algoritmos resolvidos – Anita Lopes e Guto Garcia

Blog: Qual a sua indicação de um site de TI?
Não é um site técnico, mas me divirto com ele, e aspiras à área podem ter ideia do que vão enfrentar
http://vidadeprogramador.com.br/

Blog: Qual evento que você indica na área de TI?
Evento da Locaweb, tem diversas palestras para todos os gostos e também o FISL voltado para software livre

Blog: Na sua percepção, o número de mulheres na TI aumentou nos últimos anos ou diminuiu?
Acredito que a quantidade de mulheres atuantes na área tenha se mantido, ainda existe um preconceito muito grande de mulheres trabalhando com programação, as empresas geralmente querem “empurrar” essas mulheres para áreas de analise ou de testes, são bem poucas que concluem um curso superior na área.

Blog: Qual a sua mensagem de incentivo para as mulheres que trabalham na TI?
Estudarem, se aperfeiçoarem e se posicionarem dentro da área que querem trabalhar, não aceitar serem “empurradas” para demais setores porque os gestores acham que tem mais o perfil feminino.

Blog: Seu contato em site ou redes sociais que podem ser divulgados na publicação para quem quiser falar com você.
Linkedin
Site pessoal
Site da empresa

Compartilhe

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Comment *